terça-feira, 3 de julho de 2012

A MAGIA DE LUMIAR - TEXTO DE FERNANDO MARTINS FERREIRA

No final da década de 70, residi por alguns anos em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. A cidade dista 136 km da capital e é considerada “a Suíça brasileira”, isso devido ao fato do município ter sido colonizado por 261 famílias suíças. O nome da cidade é uma homenagem à cidade de onde partiram no Cantão de Fribourg. Nova Friburgo também foi o primeiro município brasileiro a ser colonizado por alemães (antes de São Leopoldo-RS), pois em1824 chegaram 332 imigrantes alemães para se juntar aos suíços ali radicados. Nova Friburgo foi a primeira cidade brasileira não colonizada pelos portugueses. A cidade possui uma grande rede hoteleira (a maior do interior do Rio de Janeiro) e recebe milhares de turistas de todo o Brasil devido às suas belezas naturais. Para se chegar até lá saindo da capital se pega a RJ116 passando por Itaboraí, ao invés de seguir para a região dos lagos, entra para Cachoeira do Macacu. Em Friburgo, o frio é intenso ( um dos atrativos) e não raro, no inverno a temperatura nas praças marcar zero grau. Há noites de inverno que a temperatura fica negativa nos picos e morros ao redor da cidade. Os pontos turísticos mais procurados são: o teleférico de cadeiras ( o maior do país), a praça Marcílio Dias (porta de entrada da cidade) praça dos Suspiros, Praça Getúlio Vargas, Igreja Santo Antonio,. A fonte dos Suspiros, O Largo da Poesia, o parque Ambiental Luis Simões (Cascata) e é lógico as casas em estilo chalé suíço. A cidade é linda, acolhedora, mas desejo falar de um de seus distritos. Na verdade, o Quinto distrito, que se chama LUMIAR. Para se chegar até lá, passa por Muri (não deixe de experimentar a truta defumada, a cerveja suíça caseira, os biscoitos amanteigados e os deliciosos chocolates) pega a RJ142 que liga Nova Friburgo à região dos Lagos. Chegando-se a Lumiar tem-se a impressão de se ter chegado ao Paraíso. A Mata Atlântica é exuberante, piscinas naturais, passeios ecológicos , caminhadas por vales, montanhas e trilhas. Belas pousadas, bons restaurantes, riachos e cachoeiras onde se pratica todo o tipo de esportes radicais, bares com música ao vivo. Os famosos fondues, uma necessidade, porque o clima é muito frio. Ao redor de Lumiar existem pequenos lugarejos imperdíveis como: Cova da Onça,.Rio Bonito de Cima, Boa Esperança, Benfica, Guardinópolis, em todos eles, o povo é acolhedor e hospitaleiro.Esse é o retrato da Lumiar atual. Como se pode perceber, ela é dotada de uma grande infra-estrutura. Agora imagine o lugar a trinta anos, época que o conheci. Para se ter uma idéia, a RJ 142 (N.Friburgo - Região dos Lagos) era apenas um sonho que parecia irrealizável. Só existia um pequeno trecho de asfalto (saindo de Muri até antes de Lumiar) depois era tudo terra. Por ser região montanhosa, várias vezes ao ano, a estrada ficava interrompida, por queda de barreiras ou por buracos provocados por erosões. Desde essa época, Lumiar já carregava a fama de lugar Místico.Talvez pela exuberância de sua flora, talvez por ter sido freqüentada por pessoas da chamada sociedade alternativa (hippies, espiritualistas, artistas, ufólogos, pensadores etc) talvez por ambas as coisas. Na época que residi em Friburgo, sempre que podia ia até Lumiar. A cada ida uma descoberta. Uma cachoeira, um riacho, as pessoas enfim, motivos não faltavam para ir até lá. A filha Caroline, com dois aninhos adorava esses passeios. Lembro-me em especial de um dia que fiz uma bela descoberta: O Vale das Águias das Estepes, esse era o nome que se encontrava numa tabuleta na entrada do que parecia ser um condomínio. Estavam comigo, minha esposa, minha filha, minha mãe Maria Rita e o amigo Pedro Henriques de Pará de Minas que tinham ido me visitar. Ao adentramos no local, nos deparamos com algo que nos deixou boquiabertos: Diversas casas (contei 14) em forma de pirâmides nas mais variadas cores. (cada uma com cor diferente) Aqui e ali se via uma nova casa/pirâmide sendo construída. As ruas bem cuidadas, com flores e jardins entre as casas. Queríamos saber mais sobre o local e assim nos indicaram uma pirâmide/casa de cor violeta que ficava na área central. Esta era cercada por um maravilhoso jardim e ao lado corria um riachinho de águas cristalinas. O lugar parecia ter saído de um cartão postal, na verdade parecia mágico. Olhei para os meus acompanhantes e eles estavam tão extasiados quanto eu. A energia dali era quase palpável. Fomos recebidos por uma simpática jovem senhora trajando roupas estranhas (para nós) que deduzi serem trajes egípcios. Fomos conduzidos por ela a uma sala no interior da pirâmide. Nos fez sentar em círculo sobre grandes almofadas e mandou nos servir um revigorante chá. Um perfume suave se fazia sentir em todo local. Contou-nos que ali se reunia um grupo de pessoas, estudiosos espiritualistas que residiam em grande parte na capital e que iam para lá nos fins de semanas e feriados, para trocarem as mais diversas experiências. Ela era o elo deles. Falou-nos com entusiasmo sobre vários experimentos que faziam com as energias das pirâmides. Depois falou separadamente com cada um de nosso grupo. A cada um deixou uma mensagem diferente. Quando chegou a minha vez, falou-me ela da importância das cores em nossa vida e que poderíamos usá-las para o nosso bem estar e até como elemento de cura. Falou-me também do ser Crístico que habita em cada ser humano, o que nos torna também divinos. Ouvi tudo respeitosamente, mas entendi pouco e ela parecendo perceber isso, advertiu-me que no momento certo em entenderia isso tudo com clareza. Convidado a voltar, não o fiz, pois com vinte e poucos anos de idade, meus interesses eram outros (infelizmente) Hoje sei que se lá estivesse retornado teria aprendido muito e teria feito muitas coisas de maneira diferente. Quando estava para sair me disse: Vou te contar uma pequena história: Um homem, passeando pela mata, sussurrou- Deus, fale comigo.. .Um passarinho cantou... Mas o homem não ouviu... Então o homem gritou: Deus, fale comigo... E trovões e raios apareceram no céu...Mas o homem não notou... O homem olhou em volta e disse: Deus deixe-me ver o Senhor... E estrelas brilhantes apareceram... Mas o homem não percebeu.. .O homem gritou: Deus mostre-me um milagre.. E uma vida nasceu... E o homem não reparou.. .Então o homem, chamou em desespero: Toque-me, Deus, deixe-me saber que o Senhor está aqui.... E uma borboleta pousou no seu ombro... Mas o homem, a espantou.. Deus esta sempre a nossa volta, nas coisas que nem imaginamos simples ou grandiosas.... Mas precisamos estar atentos ao toque divino. Vá em paz! Na época achei a história interessante tanto é que a anotei na contra capa de um livro sobre a energia das pirâmides que lá adquiri. Recentemente encontrei o livro e a anotação. È.....Deveria ter voltado lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário